quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

pqp

Estou farta do Natal! Tão desgraçadamente farta desta alegria superficial, desta loucura de dar prendas, das frases estagnadas e sem sentido...

Eu sei que sou uma seca, um corte, uma desmancha-prazeres, mas não consigo alinhar em tanta superficialidade e acção de circunstância...

No outro dia, desabafei com amigas: "Sinto-me tão afastada de tudo isto!"

A resposta imediata e dada em uníssono pelas duas: "Tu é que te afastas, Lélé, não são os outros que te afastam!"

Ando muito melindrosa e aquela resposta esteve muito próxima daquilo que mais tenho visto ultimamente, que é sacudir a água do capote e doeu-me a acusação. Uma acusação, que tem muito de verdade, sim, pois se não tivesse não doeria, mas completamente falha de entendimento ou, pelo menos, de tentativa de entendimento e compreensão.

Na hora, pensei: "Amigas?!..."

É por coisas pequenas destas, até porque não há possibilidade de haver grandes coisas, que eu me sinto fora do lugar. Porque estou farta de só poder abordar tudo pela rama, de não conseguir ter uma conversa um pouco mais desafiadora e enriquecedora sob risco de sentir que estou a ser uma enorme seca.

Ainda não me isolei tanto ao ponto de me permitir deixar de ser hipócrita. Ainda preciso e acredito que sempre precisarei das pessoas. Mas isto cansa, porque me sinto sozinha no meio de pessoas, que supostamente estão comigo, que pensam que estão comigo, mas que sinto que não estão.

Certo. Podem acusar-me de ser eu a afastar-me das pessoas (ditas amigas), mas, sinceramente, elas estão-se pouco borrifando se eu me afasto ou se me aproximo, desde que não lhes desmanche a aparência.

Estou cansada e amarga. E, bolas!, como detesto a minha amargura, que me leva a fazer contas e a ir contra mim própria!

Justiça seja feita, porque, se estou farta deste Natal, também anseio por ele, já que, este ano, vai ser um dia de reunião maioritariamente com pessoas que não têm papas na língua, conseguem ser genuínas e dizer algo mais do que frases feitas.

7 comentários:

S* disse...

Não pode ser assim... a alegria existe mesmo, basta querer ve-la!

Yashmeen disse...

Há anos assim. Também não me sinto nada natalícia.

Maariah disse...

A minha primeira pergunta: mas que raio aconteceu? Ao mundo.

Eu devo ser a pessoa menos natalicia que conheço, esta época costuma ser um suplício, um mês antes já eu começo a andar mal-humorada. Mas este ano, não. Não ando aqui a saltitar de felicidade mas estou normal, as prendas que comprei (neste momento, faltam poucas) foram uma prazer escolher. Como nunca pensei ser possível.

Interessante tentar descobrir a que se deve esta minha mudança. Tenho de pensar um pouco sobre isso.

Mas Lélé, fiquei preocupada, este género de post não é normal em ti. Não costumas falar (escrever) assim, de um modo tão intimista.

lélé disse...

S*... Sim, sem dúvida... Mas, não sei se é porque sou míope ou se é por conseguir ver um bocadinho mais fundo, a maior parte das pessoas que me rodeiam já colaram aquele sorriso triste do "as coisas são assim..." Claro que há pessoas deveras alegres, tal como espero estar na noite de 24 para 25...

Yashmeen... Este ano, como escrevi no outro dia, até aderi ao Natal, à minha maneira, obviamente, mas aderi. Só que parece que as pessoas em geral e algumas em particular aproveitam esta época para ser tudo menos realmente natalícias...

Maariah... Garanto-te que nos anos em que não adiro ao Natal me sinto bem melhor... E este ano, ao aderir, estava com outras expectativas (parva que eu sou!)...
Fico contente que te sintas bem com essa tua mudança, aliás, fico mesmo muito, muito contente. Acredito que vais perceber depressa o porquê dessa mudança... acho que até faço ideia de, pelo menos, duas razões!... És super querida e de certeza que não tens coisas boas por uma simples questão de sorte...
Quanto a este post ser intimista... bem... não é caso para preocupação... às vezes, muitas vezes, preciso de desabafar...
Obrigada pelo carinho.

Dark Night Walker disse...

É verdade que o Natal tem sido transformado num evento de consumismo, mas não nos podemos esquecer da sua verdadeira essencia. Da mesma forma que o nosso aniversário é um pretexto para juntarmos os amigos e oferecer algo engraçado, também o Natal é um pretexto para juntar a família, para ser solidário... Claro que há sempre quem faça disso uma fachada, algo superficial, pomposo e pouco sincero...
Ninguém é obrigado a gostar do Natal, nem do Halloween, nem da Páscoa, nem de evento algum. Não te sintas diferente/afastada apenas porque não tens os mesmos gostos que os outros, o importante é defenderes o teu ponto de vista e tentar compreender a dos outros :)
Cá entre nós, também não gosto muito desta época, mas agrada-me ver as familias juntas, o espirito de caridade e alegria de um ano vivido.

JPD disse...

Feliz Natal!
Bjs

lélé disse...

Dark Night Walker... Este meu estado de espírito não tem tanto a ver com a época do Natal, como pareceu no meu blá-blá... Infelizmente, sinto-me afastada, longe, distante, fora do meu sítio, perdida, desamparada, etc., etc., etc., não só agora no Natal... Talvez a época só tenha avivado essa sensação. Hoje, contrariamente ao que eu esperava (e esperava que fosse bom! escrevi isso...) muitas contrariedades viraram ao contrário as minhas expectativas. Talvez, há uma remota hipótese ainda, de a noite não ser de todo má. Pela minha parte, vou tentar tudo para que assim seja.
Bom Natal e beijinhos.

JPD... Muito obrigada e igualmente. Beijinhos.